Sites Grátis no Comunidades.net Criar um Site Grátis Fantástico

Total de visitas: 2802448
 
Envelhecimento Humano...


 

 

 Apoptose

 

  • Casos de lesão do material genético (DNA) da célula, através de estímulos radioativos, químicos ou virais;
  • Nos casos de lesão por isquemia ou hipóxia pode resultar em necrose ou apoptose. Certos estímulos à morte celular por necrose também desencadeiam a morte celular por apoptose.

 

 

Este processo ocorre muito rápido, sendo que primeiramente há a retração celular, que gera perda de aderência com a matriz extracelular e células vizinhas. Com exceção das mitocôndrias, que podem apresentar ruptura da membrana externa, as outras organelas mantêm sua morfologia. Por conseguinte, a cromatina se condensa e se concentra próxima à membrana nuclear. Logo após, a membrana celular gera prolongamentos, havendo desintegração nuclear. Esses prolongamentos aumentam de número e de tamanho e se rompem, dando origem a estruturas contendo o conteúdo nuclear. Estas partes envoltas pela membrana celular recebem o nome de corpos apoptóticos, sendo esses fagocitados pelos macrófagos e removidos rapidamente para não resultar em um processo inflamatório.

 

Existem vários fatores que determinam o envelhecimento do ser vivo...
Desde que é formado, as células do corpo humano recebem informações do sistema nervoso e endócrino para que ele se desenvolva e cresça, como por exemplo, o hormônio do crescimento.
Acontece, porém, que quando o organismo amadurece (por volta dos 25 anos de idade) muda a constituição hormonal e os estímulos também mudam, uns cessam e outros começam. Esse amadurecimento é determinado pelo DNA (código genético).
A partir dessa época algumas células se regeneram com mais lentidão e outras páram de se desenvolver.
Outras células como as neurológicas não se regeneram, assim quando você beber álcool e matar algumas centenas de células nervosas, elas não se regeneram.
Outro fator que deve ser levado em conta: quanto mais ligações nervosas melhor você vive, assim acumula-se menos toxinas no organismo.
Então, podemos resumir que o envelhecimento é resultado de: fatores genéticos (DNA), tipo de vida (se você acumula mais toxinas no organismo ele vive menos, exemplo de fatores que aumentam as toxinas no organismo: cigarro, bebida, drogas, estresse, sedentarismo, alimentação inadequada), temperamento: pessoas depressivas também imunodeprimem seu organismo ficando mais suscetíveis a doenças, tipo de comportamento, pessoas estressadas vivem menos.
Enfim, são várias coisas. Sugiro que você pesquise sobre a formação do corpo humano, seu amadurecimento e a partir disso entenderá melhor o processo e o porque do envelhecimento.
Aquele que é feliz, vive melhor e aquele que vive melhor, vive mais, pois aproveita o máximo de sua capacidade sem no entanto, se sobrecarregar. Aquele que realiza e produz é feliz. Este é o segredo para se envelhecer bem e com saúde e é isso que fazem algumas pessoas não aparentarem a idade que tem... O principal motor do envelhecimento humano fica dentro de nossas células. Lá, as mitocôndrias fazem a respiração celular para produzir energia, mas acabam gerando como resíduo radicais livres, moléculas com um elétron a menos e que reagem facilmente, danificando a própria célula. Com o tempo os danos se acumulam, fazendo o corpo envelhecer. Além disso, a divisão celular desordenada também ajuda a envelhecer. Ao longo da vida, algumas células se multiplicam constantemente. A cada divisão, fragmentos de DNA são perdidos, causando pequenos erros genéticos que são passados para as células-filhas. Isso acontece até que a célula não consegue mais se dividir ou é destruída pelo próprio organismo por conter muitos erros.

Quem primeiro descreveu a morte celular programada foi Kerr em 1972, a partir de observações em timócitos.

        A apoptose é um tipo de morte celular que possui importante papel durante o processo de diferenciação, crescimento e desenvolvimento dos tecidos adultos normais e patológicos. Isto de certa forma requer uma cascata de fenômenos bioquímicos e moleculares que acabam por proporcionar um fenótipo celular bastante peculiar.

        Fisiologicamente a apoptose é um dos participantes ativos da homeostase no controle do equilíbrio entre a taxa de proliferação e degeneração com morte das células, ajudando na manutenção do tamanho dos tecidos e órgãos. A perda deste equilíbrio promove o aparecimento de lesões proliferativas e degenerativas como: 

  • infarto do miocárdio, 

  • doença de Alzheimer, 

  • etc.

        Existem muitos fatores que podem induzir o processo apoptótico, como: 

  • fatores de crescimento, 

  • neurotransmissores, 

  • glicocorticóides, 

  • cálcio, 

  • toxinas bacterianas,

  • radicais livres, 

  • agentes oxidantes, 

  • agentes mutagênicos, 

  • e outros.

        Dos agentes que inibem a apoptose, destacam-se: 

  • os hormônios esteróides e androgênicos, 

  • o ion zinco, 

  • fatores da matriz celular 

  • e aminoácidos.

        A imagem microscópica de uma célula em apoptose é da cromatina compactada na periferia, podendo evoluir para os chamados corpos apoptóticos isolados e bem fragmentos.
        Como referimos anteriormente para que uma determinada população celular seja mantida, é necessário que as taxas de crescimento e de morte celular estejam em equilíbrio. A apoptose pode ser regulada por um número de proto-oncogenes, genes supressores de tumor e fatores extracelulares. O bcl-2 (B-CELL/lymphoma/leukemia2) foi no primeiro gene controlador da apoptose determinado por Bawshi em 1985.